Residência de Marieta Teixeira de Carvalho

O edifício, construído em 1878 na Rua da Constituição (atual Florêncio de Abreu) para ser moradia do coronel Teixeira de Carvalho, próspero comerciante, constitui um importante exemplar de residência urbana da classe alta paulistana, da segunda metade do século XIX. Este casarão é muito representativo para a história da Cidade de São Paulo, já que trouxe uma evolução tecnológica na construção de imóveis, sendo um dos primeiros casarões construído com tijolos em São Paulo.

Quando o Senador Carlos Teixeira de Carvalho faleceu, Marieta, sua filha, herdou o casarão e passou a tomar conta do imóvel e a viver nele. Sem filhos, à medida que foi envelhecendo passou a tomar algumas atitudes que visassem a preservação do casarão e da memória de seu pai, negociando primeiramente a venda de parte do quintal para o Mosteiro de São Bento e posteriormente entre os anos 1960 e 1970 vendeu-lhes também o casarão, residindo no imóvel até falecer em 1975.

A obra de restauro foi projetada por Affonso Risi Júnior e previa ser concluída em 2007, transformado o antigo casarão em um centro cultural ligado ao Mosteiro de São Bento. O espaço seria concebido para abrigar concertos, recitais e exposições. Para reformar a senzala, de modo que o localpudesse receber exposições, foi necessário fazer escavações para que a circulação fosse agradável, uma vez que a mesma tinha cerca de um metro e meio de altura. Trata-se da última casa em taipa francesa que ainda existe na cidade de São Paulo.